Arquivo da tag: empreendedores

Paola Tucunduva entrevista João Pedro Resende do Hotmart e Erico Rocha no Fire 2015.
João Pedro fala sobre como surgiu a Hotmart, uma empresa líder de mercado na comercialização de produtos digitais.
Érico Rocha fala sobre como a Fórmula de Lançamento pode ajudar nesse tempo de crise para os empreendedores.

O ano de 2012 está chegando ao fim; é tempo de avaliar números, alinhar expectativas, planejar metas e rever comportamentos. Os resultados esperados para o final de 2013 começarão a ser construídos agora e é importante que você esteja ciente disso. O que você espera obter no período de 1 ano? Que ações precisam ser realizadas, quem as fará, como fará, como serão checadas e melhoradas para otimizar resultados?

Toda e qualquer empresa, em maior ou menor grau, busca melhorar continuamente para otimizar as diversas áreas que a compõem e nesse processo estabelecer metas é essencial. Para isso, existe uma metodologia chamada de ciclo PDCA, idealizada pelos estudiosos Shewhart e Deming, que se utiliza de quatro passos para agilizar os processos envolvidos na gestão ampliando o sucesso da empresa. Esse ciclo é composto por 4 passos e o objetivo desse texto é fornecer algumas diretrizes para que, revendo essas etapas, você faça uma reflexão sobre as iniciativas tomadas em 2012 e as ações que deve tomar em 2013.

Aconselhamos você a buscar um local confortável, desligar-se ao máximo das demais preocupações e responder de forma sincera cada etapa do processo:

-P (Plan – fazer) – Essa etapa está ligada ao planejamento do negócio. Com relação a 2012:

Quais foram as principais metas estabelecidas?

Que problemas você identificou que impediram o alcance dessas metas?

Quais foram as principais causas dos problemas?

O que você planejou para resolvê-las?

Você elencou os responsáveis pelo processo, o tempo, o local e os custos das ações?

Para 2013:

Existem dois tipos de metas: metas para manter e metas para melhorar. Escreva em um papel 1 tipo de meta para cada uma das áreas da empresa: Finanças, Processos, Pessoas e Clientes. Na sequência, sugerimos que para cada 1 das metas você delimite os seguintes itens:

- O que será feito, ou seja, as etapas do planejamento;

- Qual a justificativa para realizar a meta;

- Em que local será realizada a ação;

- Quando será feita a ação;

- Quem serão os responsáveis por realizar a ação;

- Como serão feitas as ações;

- Quanto custarão as ações;

- Quais serão os indicadores avaliados para saber futuramente se as ações foram cumpridas;

- Do (Fazer): Essa etapa está ligada a realização das ações planejadas. Em 2012:

- Todas as ações planejadas foram realizadas?

- As ações foram bem executadas?

- O Plano de Ação idealizado foi executado em sua totalidade?

Para 2013:

Quando for o momento de executar as ações, é importante motivar e orientar continuamente a equipe sobre a importância de realizar as ações e os resultados esperados para os procedimentos a serem realizados.

- Check (Checar): Esta etapa está ligada a checagem periódica das ações para verificar se o que foi feito está de acordo com o planejado. Com relação a 2012:

- Os resultados foram monitorados e avaliados periodicamente?

- Você avaliou os processos?

- Você acompanhou o andamento dos resultados?

- Você confrontou os resultados de acordo com o que foi planejado através da avaliação dos indicadores?

- Foram realizados relatórios para compilar as informações?

Para 2013: Reveja os indicadores de performance estabelecidos para cada meta, defina modelos de relatório para compilar os resultados e estabeleça um calendário de reuniões periódicas para reavaliar continuamente os resultados e propor sugestões de melhoria.

- Act (Agir) – Essa etapa está ligada a realização de ações para eliminar ou mitigar os efeitos decorridos de falhas na execução. Com relação a 2012:

- As ações corretivas foram realizadas de acordo com o que estava previsto nos relatórios?

- Foram realizados novos planos de ação assertivos para melhorar a qualidade?

- As ações foram eficientes e eficazes?

- As falhas foram corrigidas?

Para 2013: Analise os relatórios de 2012 e veja que pontos podem ser melhorados; reveja os padrões de qualidade estabelecidos para a empresa; a partir das metas e ações que você estabeleceu, anteveja os possíveis problemas de execução que podem ocorrer e elabore um conjunto de ações preventivas, além de etapas corretivas que podem ser realizadas.

Esperamos que os direcionamentos sejam úteis para que você avalie 2012 e se prepare de forma ainda mais assertiva para que 2013 traga resultados duradouros focados na melhoria contínua! Sucesso!

O que é felicidade para as empresas e executivos brasileiros de sucesso? Esse é o tema do livro “Felicidade S.A” do jornalista Alexandre Teixeira.

Para escrever o livro “Felicidade S.A”, o jornalista colheu depoimentos de Abilio Diniz, presidente do conselho de administração do Pão de Açúcar, Elcio Anibal de Lucca, ex-presidente da Serasa, Fabio Barbosa, ex-presidente do Santander, hoje presidente da Editora Abril, Fábio Coelho, presidente do Google Brasil, Luiz Ernesto Geminiagni, ex-presidente da Promon, Luiz Seabra, fundador e presidente do conselho de administração da Natura, Roberto Lima, ex-presidente da Vivo, Sandro Bassili, vice-presidente de gente e gestão da Ambev, Sergio Chaia, presidente da Nextel, e Wellington Nogueira, fundador e líder da ONG Doutores da Alegria.

“Felicidade no trabalho tem a ver com a busca de um propósito. Hoje, encontrar um sentido maior para as coisas que fazemos no trabalho é mais difícil do que receber dinheiro. E quanto mais escasso um bem, mas valioso”, lembra o jornalista.

Ficou interessado no estudo realizado pelo Alexandre? Leia a matéria na íntegra do portal Brasil Econômico

 

 

Assista agora e na íntegra a entrevista de Paola Tucunduva com Roberto Fermino, escolhido pelo governo americano para representar a América Latina na publicação “Empreendedor: Próxima Geração”.

Durante a entrevista nosso convidado conta como se apaixonou pelo empreendedorismo e como chegou até o empreendedorismo digital.

Com apenas 27 anos, Roberto é fundador da startup Helpin, que já ganhou investimento da aceleradora bi-nacional 21212 e foi eleita uma das 20 startups mais promissoras da América Latina pelo site Pulso Social.

O jovem empreendedor também busca fomentar o empreendedorismo através do evento que realiza mensalmente na USP, o Startupapo,  pois acredita que os jovens precisam de mais informações de como realmente devem empreender e não só palestras que incentivam.

Nesta segunda parte do programa Roberto responde as perguntas enviadas pelos telespectadores e conversamos sobre empreendedorismo digital, a expansão do e-commerce e venda de serviços pela internet.

Pergunta enviada durante o programa:

João Paulo: No modelo de negócio da Helpin existe uma previsão para o risco do contratante ser fiel ao prestador de serviço contratado o que resultará  num possível abandono desse contratante da plataforma (Helpin)?

Roberto Fermino: O Helpin é complementar ao trabalho do prestador de serviços. Atuamos em áreas que são difíceis para o profissional técnico lidar, tais como: marketing, atendimento, pré e pós venda, gerenciamento de contatos entre outros. Profissionais que não nos entendem desta forma e não quiserem jogar de time, ou seja, beneficiando uns aos outros, não estão aptos e trabalharem conosco. Do lado do contratante, o maior benefício do Helpin é poder acessar diferentes categorias profissionais num só lugar. São mais de 85 milhões de residências ou comércios que necessitam de reparos e o Helpin é o primeiro destino para quem procura profissionais deste setor.

Ficou com dúvida sobre os assuntos que abordamos nesse programa? Gostaria de acrescentar algum comentário sobre o tema? Deixe sua mensagem que entraremos em contato!

 

No blog Papo de Empreendedor, a editora da revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios, Bruna Martins Fontes, trabalha uma questão delicada e estratégica: pode um empreendedor introvertido ser inovador? “Quem tem esse perfil geralmente se sente intimidado em interações sociais e energizado quando realiza atividades sozinho. Seu ponto forte é a reflexão, uma poderosa aliada para idealizar novidades no mesmo nível dos extrovertidos”, diz.

Para ela, a diferença está na comunicação e, para fundamentar isso, Bruna apresenta os resultados de um estudo realizado por Francesca Gino, professora de administração de negócios da Harvard Business School, em artigo publicado no blog da Harvard Business Review. “Como os introvertidos não se sentem à vontade para conversar com outros sobre suas ideias, a inovação nem sempre sai do papel”, aponta

No entanto, empreendedores que tendem à introspecção são mais abertos à criatividade alheia, afirma Gino. Em uma pesquisa feita com dois colegas, ela traçou o perfil de gerentes e empregados de uma franquia norte-americana que soma 130 pizzarias.

Nas lojas em que os funcionários eram mais proativos para sugerir melhorias, gerentes introvertidos faziam as unidades darem mais lucro do que os que eram extrovertidos. Já nas pizzarias em que os empregados falavam menos e não faziam muitas sugestões, gerentes extrovertidos geravam mais lucro do que os caladões.

No estudo, eles detectaram que chefes introvertidos tendem a ouvir as ideias dos funcionários com mais atenção e são bons em fazê-los se sentirem valorizados e motivados. Os extrovertidos costumam se sentir ameaçados por sugestões inovadoras e, por isso, são menos receptivos a elas.

Quer dicas sobre como aproveitar ao máximo o seu potencial de ouvir, refletir, gerar boas ideias e superar problemas de comunicação? Leia aqui o final dessa história.

Fonte: www.facadiferente.sebrae.com.br

 

17 de janeiro de 2012

Seja Embaixador CHOICE em 2012

A CHOICE é um convite aos universitários inquietos, inovadores e empreendedores fazerem parte da nova geração que está mudando a forma de fazer negócios. Interessante não é mesmo?! Então que tal ser um embaixador CHOICE?
Saiba mais detalhes e confira todos os benefícios assistindo a apresentação abaixo.

O programa Alma do Negócio dessa quinta-feira, 17 de novembro abordou o tema Negócios Sociais, com Juliana Proserpio co-fundadora, diretora de criação da Design Echos e especialista em Inovação Social, Maure Pessanha diretora executiva da Artemisia Negócios Sociais e especialista em Programas Sociais, e Ricardo Ruffo diretor de Inovação, co-fundador da Design Echos e especialista em empreendedorismo e inovação.

Aproveitamos que durante toda essa semana acontece o maior evento de proporção mundial já realizado sobre Empreendedorismo em mais de 104 países e dentre eles, o Brasil, para falar sobre esse tema. A Semana Global do Empreendedorismo tem o objetivo de reunir empreendedores, empresários, estudantes e interessados, em trocar boas idéias e experiências sobre novos negócios.

E aproveitando o tema Negócios Socias colocado em pauta no programa Alma do Negócio dessa semana, outro evento ligado à esse assunto ocorreu no final de outubro em São Paulo, o Global Sustantability Jam.  Juliana Prosérpio da Design Echos  que estava como apoiadora do evento explicou que  “o evento é global, reune milhares de pessoas que são divididas em equipes, e elas recebem um desafio de encontrar soluções sustentáveis em apenas 48 horas sobre um determinado tema”.

Grande parte dos empreendedores busca juntar em uma mesma iniciativa melhorias sociais, lucro e eficiência financeira. Um negócio social obtêm lucro, mas busca ao mesmo tempo exercer um impacto positivo dentro da sociedade que precisa de determinado produto ou serviço.

Por isso, a empresa Artemisia voltada exclusivamente em desenvolver plataformas de criação e aceleração de negócios sociais já apoiou mais de 60 empreendedores em várias partes do mundo e no Brasil. Segundo Maure Pessanha, “o objetivo da empresa é ajudar o negócio a sair do papel, preparar e capacitar uma boa equipe para trabalhar e fazer com que exista um bom retorno financeiro para aquele novo negócio que está surgindo ter uma continuidade”.

Para saber mais como foi o programa e entender melhor o termo negócios sociais, assista o programa atráves do link .

Inspirada neste movimento mundial voltado ao empreendedorismo me inspirou a escrever o texto abaixo.

Quando pensamos em Empreendedorismo logo pensamos em sucesso ou fracasso, você já pensou qual a diferença e porque alguns têm tanto sucesso e outros não? Segundo um professor de Harvard e grande estudioso do comportamento humano o que faz a diferença é o comportamento, isto é a ação! Dr. David McClelland acompanhou mais de 200 empreendedores em diferentes regiões do mundo e observou que todos os que tiveram sucesso praticavam os mesmos 30 comportamentos, assim depois desta pesquisa ele tinha o mapa das ações que levam um empreendedor ao sucesso.

Com base nesta pesquisa a ONU-UNCTAD contratou o Dr.David McClelland e Marina Faning para desenvolver uma metodologia que pudesse ensinar esses comportamentos para empreendedores de todo o mundo e assim o Empretec foi desenvolvido. Um treinamento comportamental padronizado e baseado na Andragogia, que pode ser aplicado em muitos países.

Eu tenho a satisfação de fazer parte deste projeto, que no Brasil é difundido com ótimos resultados pelo Sebrae, desde 2003 como instrutora/facilitadora e ao longo de 1 semana já acompanhei o desenvolvimento de mais de 1000 empreendedores. É muito interessante observar a dificuldade de cada um e como alguns padrões de comportamentos levam muitos empreendedores para o “buraco”. Durante o Empretec cada um tem a grande oportunidade de encarar seus próprios resultados e refletir porque e quais comportamentos estão o levando para este caminho. Mais do que isto…eles tem a oportunidade de experimentar os comportamentos dos empreendedores de sucesso e assim experimentar o “gostinho” dos resultados positivos. É impressionante ver a diferença que isto faz na vida de tantas pessoas, pois hoje temos mais de 160.000 Empretecos (pessoas que finalizaram o Empretec e conquistaram seu certificado) no Brasil.

Eu sou empreendedora a mais de 20 anos e a 10 anos trabalho com capacitação e treinamento e posso dizer que são poucas as metodologias que geram resultados tão concretos para tantas pessoas como o Empretec.

Eu acompanho muitos Empretecos e vejo o quanto o aprendizado contribui para que eles aumentem muito a iniciativa, o comprometimento na busca de suas metas e concretizar seus planos, além do fortalecimento de sua auto-confiança. Inicialmente pode ser um pequeno grau de mudança, mas que ao longo da vida fazem muita diferença trazendo o sucesso para estes empreendedores.

Se você quer conhecer histórias de empreendedores que praticam constantemente esses comportamentos assista a estas entrevistas do programa Alma do Negócio clicando AQUI

 

 

O executivo Martim Téer conduzirá a palestra gratuita sobre como recuperar e melhorar a situação atual de sua empresa. Dentre os temas abordados estão: Estratégias de Negócios, Cultura Empresarial, Modelos de Negócios Tradicionais, Método Kaizen, Células de Manufatura, Set Up Rápido, Fluxo de Valor, Organograma Orgânico entre outros. Aproveite essa oportunidade.

 

Objetivos: Demonstrar uma metodologia de fazer diagnósticos através de fatores de avaliação, dados do empreendimento e as várias análises que devem ser realizadas. Será demonstrado um caso prático, as razões para o fracasso e mortalidade das empresas, administração de crises e experiências de crises: as evidências, o que evitar e o que fazer.

 

Palestrante:

Martim Téer - Administrador de Empresas com MBA Executivo pela FAAT e membro do Grupo de Excelência de Profissionais em Recuperação de Empresas do CRA-SP. Consultor Empresarial, especializado na reestruturação de empresas (Diagnóstico e Plano de Ação). Atuou por mais de vinte anos como Presidente e Superintendente de Empresas Familiares nos segmentos de autopeças, elastômeros e alimentício.

 

Local: Auditório 2 do CRA-SP – Rua Estados Unidos, 865/889 Jardim América – São Paulo/ SP

Data: 27/10/2011 – Quinta-Feira 18h50 às 20h30.

Reservas: (11) 3087-3200 ou pelo e-mail eventos.participe@crasp.gov.br

Outras informações: http://www.thinkconsultoria.com.br